0

Sua sacola está vazia.

Product was successfully added to your shopping cart.

Recurso OAB XXVII Exame

Confira as questões passíveis de recurso na 1ª Fase do XXVII Exame de Ordem.

Recurso OAB XXVII Exame

 

Boa notícia para quem realizou o XXVII Exame de Ordem. Os Professores do Curso Forum analisaram o gabarito disponibilizado e sinalizaram duas questões passíveis de recurso.

 

Direito Civil: Questão 41 da Prova Branca 

A banca examinadora indicou como gabarito e letra D. Nessa assertiva o examinador afirma que os pais respondem de forma objetiva e subsidiária pelos ilícitos praticados pelo menor. De acordo com o artigo 932, I e 933, ambos do Código Civil, os pais tem responsabilidade objetiva pelos ilícitos praticados pelos seus filhos menores. Ocorre que o artigo 928 do CC/02, excepcionando a regra da solidariedade imposta no artigo 942, parágrafo único do CC/02, determina que os incapazes respondem de forma subsidiária pelos ilícitos que praticam. Desta forma, só responderão na hipótese dos seus representantes não tiverem condições de fazê-lo e o menor titularizar patrimônio para tanto. Assim, a responsabilidade subsidiária é do menor e não dos seus representantes. Com isso, a questão não apresenta um gabarito correto, sendo, portanto, passível de anulação.

 

Por Professor Rafael Mendonça

 

Ética: Questão do Bacharel Guilherme

A questão do ”bacharel Guilherme” merece ser anulada pelos motivos abaixo:

As medidas cabíveis a Cesar e João seriam Habeas Corpus, e a Antônio, seria Mandado de Segurança.

Ocorre que o enunciado afirmou as medidas tomadas pelo bacharel Guilherme foram as seguintes: César e Antonio foram pacientes de Habeas Corpus e João de Mandado de Segurança.

Pois bem, ao final do enunciado, sem afirmar se as medidas tomadas pelo bacharel estão certas ou não, pede que o candidato responda SOMENTE à luz do EOAB, o que faz com que aqui tenhamos um problema.

Ou respondemos a luz do EOAB e afirmamos que César e Antônio podem ser pacientes de HC e João não pode ser de Mandado de Segurança, pelo fato de Guilherme ser bacharel e não advogado inscrito nos quadros da OAB, ou damos por certo que a escolha do bacharel da propositura de peças está equivocada, e que portanto, somente César pode ser paciente do HC impetrado.

Na primeira hipótese, uma interpretação gramatical e dogmática, que inclusive é o perfil da banca examinadora quando pede respostas à luz de algum diploma legal, na outra hipótese, uma interpretação sistêmica do ordenamento jurídico integrando o EOAB nos diplomas necessários para compreensão do Direito.

Caso a OAB MUDE O GABARITO negará o que foi perguntado, pois segundo o EOAB o HC não é ato privativo de advogado, sendo, portanto possível impetrar HC para os dois pacientes; por outro lado caso mantenha o gabarito preliminar desrespeitará o ordenamento jurídico Brasileiro prestigiando o erro e negando o objetivo do Exame de Ordem que é avaliar o conhecimento jurídico do candidato.

Não há melhor escolha, portanto, que anular a questão ora apontada.

 

Por Professor Alvaro de Azevedo

 

Direito Administrativo: Questão 27 da Prova Branca

A questão 27 da prova tipo 1 – branca, e as correspondentes, versou sobre o tema das concessões de serviços públicos, narrando um caso de concessão do serviço de transporte coletivo ocorrido na década de 1990, em que o concessionário não havia renovado a frota de ônibus ao longo dos anos, mesmo ciente da modernidade dos atuais veículos.

Pois bem, embora a alternativa (A) esteja de fato correta, ao tratar do principio da atualidade, a banca não pode ignorar o acerto da alternativa (D), a respeito do fenômeno da reversão.

Com efeito, em primeiro lugar, convém frisar que nas extinções das concessões, mesmo naquelas que se dão com o advento do termo final, a reversão se opera independente de previsão em contrato ou edital, porquanto se percebe a aplicação ex vi legis, segundo a dicção do artigo 36 da Lei de Serviços Públicos e Concessões – Lei 8.987/95.

A necessidade de previsão em contrato ou edital, prevista no §1º do art. 35 da Lei Geral acima citada, diz respeito ao modus operandi do retorno dos direitos e privilégios transferidos ao concessionário, e não quanto a reversão dos bens. Esta se opera por força de lei, não de contrato ou edital. Só imaginarmos a situação de extinção por caducidade de uma concessão de transporte coletivo, sem previsão de reversão no contrato. Neste caso, como ficaria o serviço público sem os ônibus? Como atender ao principio da continuidade do serviço público? E como dar efetividade ao teor do §3º do art. 35?

Em segundo lugar, a questão menciona que a concessão ocorreu na década de 1990, sem precisar a data. Todos sabem que o marco legal das concessões é a Lei n. 8.987, de 13 de fevereiro de 1995. Se a concessão foi feita antes da entrada em vigor da referida lei, aplica-se a regra dos arts. 42 e 43 da aludida Lei, que não faz qualquer menção a necessidade de previsão contratual para reversão dos bens.

Sendo assim, requer que seja anulada a questão em comento, por admitir duas alternativas corretas, como acima exposto.

 

 Por Professor Gladstone Felippo

Comment form has been disabled.